top of page

Bem-vindo ao WebDoc 
Fala Minha Irmã

Sobre este Web Documentário

Este site irá levá-lo numa odisseia musical em Moçambique. Irá apresentar-lhe alguns géneros musicais de todo o Moçambique e algumas das mulheres inspiradoras por trás deles. Também apresentará os homens e mulheres por trás dos filmes e as ideias por trás da pesquisa, produção e exibição da série.  

 

Em 1975 nasceu a nova república independente de Moçambique, terminando mais de quatrocentos anos de domínio colonial. Em um país com duas mil milhas de litoral que se estende desde a Tanzânia, no norte, até a África do Sul, no sul, e mais de quarenta línguas faladas as línguas da música e da imagem em movimento foram usadas para promover um novo senso de unidade nacional. Arte, música, cinema e expressão criativa foram celebrados e valorizados como ferramentas da revolução. Um instituto de cinema foi criado logo após a Independência com o lema 'Histórias moçambicanas, para moçambicanos, por moçambicanos' e com grande parte da nação analfabeta e falando diferentes línguas, as histórias consideradas mais bem-vindas foram as contadas através da música e da dança.  Um filme que aproveitou esta nova visão foi o do jovem realizador moçambicano José Cardoso. Chamava-se 'Canta Meu Irmão - Ajuda-Me Cantar' (1981) e apresentava ao espectador a música, a dança e o ambiente familiar de alguns dos artistas nos palco do primeiro Festival Nacional de Cultura. A série de filmes Fala Minha Irmã e esse webdoc é uma resposta contemporânea a este filme histórico. Seguindo o legado descolonial do Instituto Nacional de Cinema de Moçambique, Fala Minha Irmã revisita o sonho quase esquecido da produção e formação cinematográfica autónoma. Quarenta anos depois do lançamento do filme revolucionário e inovador "Canta Meu Irmão - Ajuda-Me Cantar", este webdoc traz as histórias de moçambicanos de diferentes divisões sociais, linguísticas e culturais em diálogo entre si; o rural e o urbano, os jovens e os velhos, os intelectuais e os trabalhadores, os homens e as mulheres.

Produzido como parte de investigação doutoral realizado em Moçambique entre fevereiro e setembro de 2018, este webdoc é o resultado de uma parceria entre Karen Boswall da Universidade de Sussex e funcionários e alunos do Instituto Superior de Arte e Cultura (ISArC) em Maputo, Moçambique. Participaram 30 jovens moçambicanos e moçambicanos, todos unidos pela paixão pela imagem em movimento. Eles vêm de diferentes partes do país, vivendo na capital Maputo como os primeiros alunos de um programa de ensino superior estatal que resulta numa licenciatura em cinema e produção audiovisual. A série de retratos musicais etnográficos aqui apresentados surgiu em resposta ao tema do 10º Festival Nacional de Artes e Cultura: "Cultura, promoção da Mulher, Identidade e Desenvolvimento Sustentável".  

Após um intenso período de treinamento em pesquisa etnográfica e etnomusicológica e produção cinematográfica, seis retratos audiovisuais e musicais foram pesquisados, filmados e editados ao longo de cinco meses. Usando os kits básicos de filmagem disponíveis para os alunos e um pequeno orçamento de 5.000 MZM (aproximadamente £ 50 , € 60, $ 70) por filme esse iniciativa foi concebida para poder ter continuidade sem dependência dos fundos grandes de produção audiovisual internacional. Ai diversidade de representação na série representa a diversidade dos alunos na universidade e retrata mulheres moçambicanas do norte, centro e sul do país que estão transformando seu mundo através da música e da dança. Em julho de 2018, o festival teve lugar na província do Niassa, no norte, e os filmes foram exibidos nos locais do festival seguido as iniciativas antigas de cinema móvel dos anos '70 e '80. Em Niassa foram mostrados na capital do Niassa, Lichinga, na vila  de Metangula à beira do lago e na aldeia rural de Lipende. No sul de Moçambique os filmes foram exibidos em projecções urbanas e rurais em Maputo e em projecções de bairros urbanos e rurais, incluindo no histórico Bairro Mafalala e na aldeia de Nwajohane, na província de Gaza. Os filmes de 'making-of' vão por trás da câmera e do projetor e exploram as histórias da produção e exibição desta série, a primeira, esperamos, de muitas.

Aproveitem a viagem

Karen Boswall 2021

screening lipende.png

Sobre o autor

Karen Boswall é cineasta, etnomusicóloga e antropóloga visual. Viveu e trabalhou em Moçambique como musicista, jornalista e documentarista entre 1990 e 2007. Os seus premiados filmes e rádio  documentários exploram os mundos espiritual, cultural e ambiental de indivíduos e comunidades através de suas práticas de música e dança. Seus filmes incluem produções individuais e colaborativas da Nicarágua (1984), Reino Unido (1986), Iraque (1993), Cuba (1995), Moçambique (1997-2018), Jordânia (2014), Nepal (2016) e Brasil (2019). Ela ensinou Antropologia Visual e Cinema e Televisão na Universidade de Kent (2008–2009), Canterbury Christ Church University (2010–2014), Manchester Metropolitan University (2015-2016) e na University of Sussex (2017 – 2019). Ela realizou sua pesquisa de doutorado em pesquisa musical colaborativa e produção cinematográfica em Moçambique e continua a usar metodologias audiovisuais colaborativas e descoloniais para apoiar aqueles que trabalham na melhoria do acesso aos direitos humanos básicos em Moçambique, especialmente mulheres e meninas. 

bottom of page